Inca atualiza banco de dados de doadores de medula

Você está em : Imprensa | Notícias

Banco nacional de medula óssea também precisa aumentar doadores de etnias negra, indígena e asiática

O Centro de Transplante de Medula Óssea (Cemo) do Instituto Nacional de Câncer (Inca) está atualizando o banco de dados do Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (Redome), para facilitar o encontro do doadores. Segundo o diretor do Cemo, Luis Fernando Bouzas, também coordenador do Redome e do Registro Nacional de Receptores de Medula Óssea, a atualização é feita em conjunto com os hemocentros e as instituições responsáveis pelos cadastros.

De acordo com o médico, ao fazer a inscrição, muitas pessoas dão informações imprecisas sobre telefone, Código de Endereçamento Postal (CEP) e até sobre a cidade onde moram. “E, quando vamos buscar esse doador na hora da seleção definitiva, isto é, na hora em que precisamos fazer o transplante, muitas vezes, o dado não está completo e fica difícil encontrar o doador. Acha-se o doador no sistema, acha-se a característica genética dele, mas o endereço está incompleto”. Por isso, é preciso fazer bem o cadastro no Redome, com as informações corretas, para que o doador seja encontrado com facilidade.

Bouzas explicou que, para a doação voluntária, é preciso estar em bom estado de saúde. “O doador não pode correr nenhum risco”. Para fazer parte do cadastro, a pessoa deve ter de 18 anos a 55 anos e não sofrer doenças infecciosas, sanguíneas ou câncer. “Porque são doenças que podem ser transmitidas por meio do transplante”, alertou o médico. HIV, hepatite, sífilis, mal de Chagas e malária estão entre as doenças transmitidas pelo sangue que impedem uma pessoa de se tornar doadora de medula óssea. “São fatores limitantes para a doação de medula”.

Durante a gravidez, as mulheres não podem fazer a doação – é preciso esperar o bebê nascer. Outra exemplo de situação que impede a pessoa de ser doadora é a de alguém que se cadastrou aos 45 anos e, dez anos depois, ao ser selecionada, descobriu que está com câncer de próstata, doença cardiovascular ou diabetes descontrolado, disse Bouzas. A seleção de doadores segue regras internacionais.

Grupos étnicos
O banco nacional de medula óssea precisa aumentar o número de doadores das etnias negra, indígena e asiática, dos quais atualmente é carente, disse à Agência Brasil a hematologista Aline Guilherme, especialista em transplante de medula óssea da Rede de Hospitais São Camilo, de São Paulo. Segundo a médica, dados estatísticos do Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (Redome) mostram que a mairoria dos doadores é da raça branca, que “não é a mais frequente no Brasil.

Ela explicou que, quando a pessoa se cadastra em um banco de doares, uma das informações pedidas é sobre a raça. “Existe uma discrepância muito grande em relação ao percentual de pessoas no Brasil das diferentes etnias e doadores. A grande maioria dos doadores é da raça branca, que não é a mais frequente”, destacou. Aline informou que o registro tem atualmente de 70% a 80% de doadores da raça branca, o que “destoa dos dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) sobre a distribuição de raças no Brasil”.

O diretor do Centro de Transplante de Medula Óssea (Cemo) do Instituto Nacional de Câncer (Inca), órgão do Ministério da Saúde, Luís Fernando Bouzas, porém, questiona a informação da hematologista que, para ele, é mais baseada mais em feeling (sentimento, percepção). “A pessoa acha que é isso”. Bouzas, que e também coordenador do Redome e do Registro Nacional de Receptores de Medula Óssea, disse que “a médica não tem como afirmar isso”. Ele explicou que a informação sobre raça é uma informação livre “dada pelo próprio doador” no momento da inscrição no Redome.

Essa informação, entretanto, vem se modificando. Hoje, mais de 40% ou 50% da população se dizem brancos, enquanto os que se declaram negros ou pardos são 35% dos registrados. A situação dos indígenas é diferente, ressaltou Bouzas. “No Brasil, o índio verdadeiro não tem autonomia para ser doador voluntário, porque, na legislação, ele é considerado assemelhado a um menor. Ele é tutorado pela Fundação Nacional do Índio [Funai] e não pode se candidatar à doação de medula óssea”.

Quanto aos asiáticos, o médico admitiu que o percentual de doadores é pequeno. O Inca tem feito campanhas para captação de doadores nessa parcela da população, que está mais concentrada em São Paulo e no Paraná. Ele ressaltou, no entanto, que a participação dessa etnia no Redome “vem aumentando também”.

Bouzas chamou a atenção para o fato de que, quando se busca o dado genético, verifica-se que muitos dos que se dizem brancos não o são, ou que os que se declaram índios nem sempre são indígenas puros, por causa da miscigenação da população brasileira. Por isso, o Inca está analisando a ancestralidade dos doadores para tentar identificar qual é a característica que predomina naquela pessoa.

As informações mais técnicas, que são atualizadas anualmente, podem ser obtidas na página na internet da Rede Brasil de Imunogenética. “Temos técnicos hoje trabalhando nessa análise mais apurada, mas não é fácil fazer isso, ainda mais em uma população miscigenada como a nossa”.

O registro nacional conta atualmente com 3,240 milhões de doadores, com forte participação de pessoas miscigenadas. “Talvez o Brasil seja hoje o país que registre a maior participação desse tipo. [É] muito mais que o registro alemão ou o norte-americano, que têm participação maior de caucasianos do que de doadores miscigenados”. De acordo com o médico, esse dado é analisado a cada ano, com a entrada de novos doadores. Nos últimos dois anos, entraram de 270 mil a 300 mil novos doadores no Redome, a cada ano. “Sempre tem uma renovação e um acréscimo de características novas no registro”.

Para Aline, a autodeclaração da raça pelos doadores, ao fazerem o registro, “é um critério subjetivo”. Ela observou que, quando os hospitais fazem pesquisa de busca de doadores para pacientes, percebem que a compatibilidade é muito relacionada à questão da raça. â€œÉ muito difícil conseguir um doador compatível de raças diferentes, porque tem um impacto grande. Para brancos, é muito mais fácil encontrar doador, tanto entre os brasileiros quanto entre os doadores de outros países com predominância de brancos na população. “Isso é bem perceptível”, disse Aline.

Segundo a médica, é mais difícil conseguir doadores para pacientes descendentes de negros ou de outras raças. Embora não haja estatística definida, o problema se agrava em relação a pacientes indígenas ou descendentes de índios. Não se consegue encontrar doadores compatíveis também em outras partes do mundo”, destacou Aline, mesmo em países que têm um significativo percentual de negros na população, como os Estados Unidos. “O cadastro deles é um pouco deficiente de doadores dessa raça. E de indígenas é mais difícil ainda”.

Bouzas ressaltou, porém, que o número de doadores no Brasil não é pequeno perto da real necessidade do país, quando se trata de doadores das etnias negra, indígena e asiática, como indicou a hematologista. “Isso não é verdade”. A possibilidade de encontrar um doador para um brasileiro já ultrapassa 70% hoje. “Isso sem contar com a possibilidade dos bancos de sangue de cordão (umbilical) e de buscar um doador no exterior”.

A rede mundial tem em torno de 24 milhões de doadores. Bouzas informou que a chance dos brasileiros de encontrar um doador subiu de 10% a 12%, em 2003, para 76%, na última avaliação, feita nos dois últimos anos.

Ele é contra a divulgação de informações de maneira aleatória, como considerou ter sido feito por Aline Guilherme e disse que o correto é procurar analisar os registros com os dados genéticos, de naturalidade, ou seja, da origem dos doadores, e estimular campanhas localizadas. No ano passado, por exemplo, Bouzas disse que portaria do Ministério da Saúde elevou o teto para cadastramento na Bahia de 5 mil para 20 mil doadores. O estado tem forte participação de representantes da raça negra. “Então, é um estímulo a campanha naquela região”.

O Centro de Transplante de Medula Óssea está preparando campanhas para atrair doadores em nichos da população que precisam ser melhor representados no Redome.

fonte: http://saudeweb.com.br/41473/inca-atualiza-banco-de-dados-de-doadores-de-medula/


Compartilhe: orkut blogger delicious digg twitter email


Mais publicações

Imagem e Guerbet fecham parceria
( Publicado em 31/07/2017 )


Mulheres no DF esperam até dois anos para fazer mamografia
( Publicado em 14/10/2016 )


Último relatório de financeiro da Forbes: Healthcare é o setor líder
( Publicado em 24/05/2016 )


Imagem e GE encerram parceria
( Publicado em 01/05/2016 )


10 dicas para gerir seu consultório (ou sua clínica)
( Publicado em 31/03/2016 )


Quando tratar menos é melhor
( Publicado em 26/01/2016 )


Ressonância e mamografia ajudam na prevenção do câncer de mama
( Publicado em 22/10/2015 )


Saúde caminha para um colapso, diz ministro
( Publicado em 29/09/2015 )


Como o paciente percebe a qualidade na hora da consulta?
( Publicado em 18/09/2015 )


Rastreamento de câncer é oferecido apenas em oito estados
( Publicado em 10/09/2015 )


Índice de mamografias no Brasil está abaixo da média mundial
( Publicado em 01/09/2015 )


Ministério destina R$ 100 milhões para 49 hospitais universitários
( Publicado em 03/07/2015 )


Consumidor-paciente quer experiências com boas sensações
( Publicado em 19/06/2015 )


Como gerir o aumento da demanda de exames de imagem
( Publicado em 28/05/2015 )


Principais tendências em diagnóstico por imagem em breve no Brasil
( Publicado em 12/05/2015 )


GE descarta vender ativos no Brasil e considera aquisições
( Publicado em 06/05/2015 )


Operadoras de planos investem mais de R$ 3 bi em ampliações
( Publicado em 28/04/2015 )


Brasil lidera consumo de agrotóxico e Inca pede redução do uso
( Publicado em 09/04/2015 )


O preço de dar à luz ao redor do mundo
( Publicado em 09/03/2015 )


Cientistas desenvolvem estrutura de titânio pra cobrir implantes óssea
( Publicado em 09/01/2015 )


Desafio de Dilma é estabilizar saúde financeira do SUS
( Publicado em 30/10/2014 )


Hospitais cariocas são mal avaliados na gestão de insumos
( Publicado em 04/09/2014 )


Tratamento de HIV/Aids no Brasil salva mais que média global
( Publicado em 22/07/2014 )


O ano da RSNA na JPR
( Publicado em 05/05/2014 )


Rede privada brasileira tem mais equipamentos que Alemanha·
( Publicado em 14/04/2014 )


Brasil deve ter mais de 576 mil novos casos de câncer em 2014
( Publicado em 12/02/2014 )


Lullaby Warmer e Lullaby LED PT
( Publicado em 11/09/2013 )


Saúde pública perdeu quase 13 mil leitos em três anos
( Publicado em 04/09/2013 )


GE Healthcare compra a mineira Omnimed É a segunda grande aquisição da
( Publicado em 06/08/2013 )


Senai-SP e GE Healthcare investem R$44 mi em saúde
( Publicado em 30/07/2013 )


Anvisa obriga instituições a criarem núcleos de segurança
( Publicado em 29/07/2013 )


Mais Médicos: edital estará aberto para brasileiros e estrangeiros
( Publicado em 11/07/2013 )


Brasil pode economizar US$ 14 bilhões se investir em mHealth
( Publicado em 23/05/2013 )


Brasil negocia acordo para receber 6 mil médicos de Cuba
( Publicado em 06/05/2013 )


Conheça os vencedores do Top Hospitalar
( Publicado em 08/04/2013 )


Planos deverão justificar por escrito negativa de procedimentos médico
( Publicado em 11/03/2013 )


SP libera R$ 77 milhões ao Hospital São Paulo
( Publicado em 28/02/2013 )


US$ 1 bilhão para o combate ao Câncer
( Publicado em 08/02/2013 )


Santa Maria prevê a contratação imediata na área da saúde
( Publicado em 30/01/2013 )


3D permite que gestante cega sinta feto com a mão
( Publicado em 19/09/2012 )


GE Healthcar e Intel criam parceria para pesquisa
( Publicado em 15/03/2012 )